Em destaque

Nova casa, novos ares.

Toda mudança tem impacto em nossas vidas, este novo site segue o desafio pessoal de sair da zona de conforto com foco em resultados financeiros, profissionais e pessoais.

Seria muita coisa? Não. Pois a trindade (família, profissional e finanças) é contante em nossa vida. Aprendi que:

“Se não tivermos tempo pra cuidas delas, então não as teremos”.

Verificando se a premissa é verdadeira usaremos a contrapositiva na lógica matemática (S->P<=>~P->~S) que deverá ser verdadeira, ficará “Se as teremos, então teremos tempo para cuidar delas”.

Atitudes na pandemia

Amigos e clientes, a economia está estagnando e possivelmente irá retrair, o governo não vai conseguir segurar este tsunami, como vários outros problema que vão surgir.

Primeira atitude: calma e paciência.

Segundo, aprendam a ter somente o necessário para aguentar este período difícil. Tanto para as empresas como nas nossas vidas pessoais.

Terceiro é o momento de aprender o máximo sobre os nossos negócios, aproveitem também para reequilibrar a vida, necessária neste momento de caos. A simplicidade e humildade são as melhores respostas.

O mercado é igual a um baralho, de vez em quando vem alguém e embaralha as castas e a dinâmica de mercado muda.

Então após o pico do Covid-19 o mercado terá outra dinâmica. Já teve a primeira reembaralhadas, no qual mudando o que pôde para home office. Após o pico do Covid-19 terá outra reembaralhada e nova dinâmica e após a estabilização da situação terá outra.

Cautela nos gastos vamos nos prepara para os próximos 2 meses. Os manterei atualizados.

Gratidão.

Referências para pesquisa:
https://exame.abril.com.br/exame-in/as-vitimas-escondidas-da-covid-19-contadores-e-auditores/
https://youtu.be/I8OMqH72xUg

O Livre Mercado e a Pandemia

Foto por Anna Shvets em Pexels.com

O estado sempre irá existir. O livre mercado é de extrema importância.

A vacina só não chegou no Brasil por causa do estado. Tem que ser aprovada pela ANVISA.

Não devemos confundir oferta e demanda, com calamidade.

Nas bases da administração financeira as pessoas precisam: 1. Saber usar o dinheiro (querer versusprecisar); 2. Saber poupar; 3. Saber ganhar (com ética); e 4. Saber doar.

O livre mercado utiliza isto, ele se fortificará com está crise, quem tem consciência de como usar o livre mercado para combater está pandemia, prosperará.

O livre mercado é a melhor resposta para a pandemia, tanto em termos econômicos como para termos de saúde pública. Empreendedores e empresários são mais dinâmicos que os governos, conseguem mudar em tempo hábil para atingir as novas necessidades, tendências e cenários.

Somente comercializar a saúde é a solução? Não. Precisa fazer isto também? Sim, mas não só isto. Apoiar a sociedade é necessário e que seja feito de forma coerente, o resultado vem sempre a longo prazo.

E as pessoas que não podem comprar? Parte por assistencialismo? Também, mas todos somos iguais perante ao livre mercado. O Governo tem a opção de saber como agir, a nós a opção do que escolhermos. Isto é o livre mercado.

Não é a primeira pandemia, nem a última. A população irá aprender a interagir, mas não podemos forçar as pessoas a doarem ou ajudarem, pois isto é um aspecto da caridade e não ter é um quesito de sobrevivência. Portanto, errar é humano e podemos esperar tudo dos homens. Não os julgem.

Desenvolver a Civilidade de saber comprar é desenvolver o mercado, é o agir coerente e cocientemente. O livre mercado é mais humano que muitos imaginam, ele é amoral. O que deixa o livre mercado Moral são os atos das pessoas que o compõe, em resumo: nosso atos.

De fato, a histeria está instalada, como cada um lida com isto, com viés tendenciosos mostra a pequenez humana e que difícilmente poderemos lidar com situações mais críticas ou espúrias que esta. Não estamos caminhando nem pra direita nem pra esquerda, mas para o fundo.

Temos que moldar nossos comportamentos para produzir resultados factíveis e coerentes com a realidade. Cabe a todos construir o presente.

Carlos Alexandre Amorim

Está é minha resposta ao texto do Leonardo Boff, “O perfeito desastre para o capitalismo do desastre”.